Cenários dos países Avaliação Global da EIU

AVALIAÇÃO GLOBAL DOS CUIDADOS COM A SAÚDE BASEADOS EM VALOR POR PAÍS

Em todo o mundo, o modelo de VBHC está sendo introduzido gradativamente.  Mas, em muitos lugares, a vontade política é forte e as pessoas responsáveis por elaborarem as políticas estão se movimentando na direção correta. Esses cenários de países irão mostrar como ambientes e políticas propícios diferem em 25 países e como as prioridades variam entre esses países.

AUSTRÁLIA
Custos crescentes podem criar o ímpeto para que ocorra uma mudança para uma discussão sobre valor, mas a oferta de saúde descentralizada, baseada nos estados, apresenta um desafio para uma mudança sistemática.

Ver cenário

BRASIL
O Brasil possui um dos maiores sistemas públicos de saúde do mundo, utilizado por 75% da população, mas os 25% que dependem de planos de saúde privados recebem um tratamento de maior qualidade. O sistema de TI para a saúde do país é limitado e não possibilita o acompanhamento dos resultados ou os custos de tratamento individuais dos pacientes.

Ver cenário

CANADÁ
O Canadá oferece Medicare universal a todos os seus cidadãos, administrado pelas províncias. Uma organização sem fins lucrativos fundada pelos governos provinciais e federal conduz as avaliações tecnológicas do sistema nacional de saúde, e a Statistics Canada possui registros de dados nacionais para pesquisadores e para o público em geral.

Ver cenário

CHILE
O Chile oferece cobertura de saúde através de fundos de seguro privados e um fundo de seguro nacional, embora existam discrepâncias significativas no sistema, com populações de baixa renda possuindo pouco acesso a tratamento privado de qualidade mais elevada. Os dados para pesquisa sobre áreas patológicas são limitados.

Ver cenário

CHINA
A China garante ao seu 1,3 bilhão de habitantes cobertura universal através da Comissão de Saúde e Planejamento Familiar Nacional, mas existem disparidades regionais quanto à qualidade dentro da sua infraestrutura de saúde subdesenvolvida.

Ver cenário

COLÔMBIA
A Colômbia oferece a 95% da sua população seguro-saúde através de um regime contributivo, para os que podem pagar pelo seguro, e um regime subsidiado, que abrange aqueles que não podem arcar com a despesa. O país reduziu consideravelmente as doenças transmissíveis, mas tem presenciado um aumento das doenças crônicas.

Ver cenário

EGITO
O Egito tem a possibilidade de melhorar o acesso, os custos e a qualidade do seu sistema de saúde, mas a instabilidade política desafia o progresso.

Ver cenário

FRANÇA
A França possui um sistema de saúde universal público-privado que é frequentemente classificado como um dos melhores do mundo, com excelentes resultados de pacientes, apesar de gastar menos com pacientes do que outros países. O governo está focado em controlar custos e tem se concentrado em ampliar os direitos dos pacientes, melhorar o tratamento preventivo e conceder funções mais importantes para clínicos gerais.

Ver cenário

ALEMANHA
A Alemanha garante cobertura universal a todos os seus residentes legais, a maioria coberta por fundos de previdência financiados por impostos sobre os salários. O Instituto para Qualidade e Eficiência na Saúde do país produz relatórios sobre programas de gerenciamento de doenças, estudos baseados em evidências e orientações para prática clínica.

Ver cenário

ÍNDIA
A Índia carece de infraestrutura de saúde em suas áreas rurais, mas oferece modernas unidades de saúde nas áreas urbanas. O governo está tentando tornar o econômico sistema de saúde mais acessível em todo o país, mas as discrepâncias persistem.

Ver cenário

INDONÉSIA
Fragmentação geográfica, lacunas de financiamento, disparidades regulamentares e desafios de infraestrutura persistem, mas os passos estão sendo dados para ampliar o tratamento baseado em evidências.

Ver cenário

JAPÃO
O Japão oferece a sua população seguro-saúde universal há mais de meio século. Para enfrentar o desafio de uma população grande e idosa, o sistema de pagamento Combinação entre Diagnóstico e Procedimento foi estabelecido para aumentar os padrões e a transparência.

Ver cenário

MÉXICO
O México criou o Seguro Popular, um plano de saúde publicamente subsidiado, para cobrir 50 milhões de pessoas. Os responsáveis pela criação de políticas de saúde têm como objetivo reduzir despesas reembolsáveis e melhorar o acesso a tratamentos.

Ver cenário

HOLANDA
Existe um interesse real em abordagens baseadas no valor vindo do governo e das partes interessadas na área da saúde, mas a implementação está caminhando a passos lentos.

Ver cenário

NIGÉRIA
Aproximadamente 10% da população da Nigéria possui seguro-saúde. Atualmente o país está focado em oferecer cuidados básicos acessíveis, mas o sistema precisa de muitas melhorias.

Ver cenário

POLÔNIA
A Polônia possui cobertura de saúde para sua população através de contribuições descontadas do salário ou de um Fundo Nacional de Saúde voluntário. O país possui registros patológicos, mas frequentemente exige consentimento por escrito do paciente antes que esteja acessível.

Ver cenário

RÚSSIA
A Rússia oferece Seguro Médico Obrigatório às pessoas empregadas, um serviço público financiado através de impostos descontados dos salários, enquanto subsídios regionais cobrem os que não possuem seguro. Despesas reembolsáveis são comuns, e a redução de custos no sistema tem levado ao corte de custos em várias áreas e ao fechamento de algumas instalações.

Ver cenário

ÁFRICA DO SUL
A África do Sul possui sistemas de saúde público e privado para seus cidadãos, e enquanto o sistema privado possui muitos recursos e é eficiente, o sistema público gasta ligeiramente menor e abrange cinco vezes mais pessoas. O país luta com altas taxas de HIV/AIDS, tuberculose, mortalidade materna e infantil, além de um número crescente de doenças não transmissíveis.

Ver cenário

COREIA DO SUL
A Coreia do Sul possui um sistema de saúde universal que abrange toda a sua população através do Serviço de Seguro-Saúde Nacional (NHIS, em inglês), enquanto custos reembolsáveis complementares são cobertos por seguro privado. Registros eletrônicos são facilmente disponibilizados em instalações locais, mas ainda não existe um programa coeso em todo o sistema.

Ver cenário

ESPANHA
Apesar das altas despesas e da falta de avaliações dos resultados dos pacientes, uma estrutura de governança descentralizada torna uma abordagem regional essencial para incentivar os cuidados baseados em valor.

Ver cenário

SUÉCIA
A Suécia possui um sistema de saúde universal financiado por impostos, que cobre todos os residentes e utiliza orientações de tratamento baseado em evidências. Registros patológicos em relação a dados individualizados e resultados de tratamentos são monitorados anualmente.

Ver cenário

TURQUIA
A Turquia iniciou o Programa de Transformação da Saúde para ampliar a área da saúde e redirecionar seu objetivo para a qualidade ao invés da quantidade. Embora exista um registro de dados sofisticado, as informações não podem ser acessadas facilmente, pois um ramo diferente do governo o detém.

Ver cenário

EMIRADOS ÁRABES UNIDOS
Existem disparidades geográficas tanto na cobertura quanto na qualidade do serviço, mas o país possui grandes ambições para o tratamento preventivo.

Ver cenário

REINO UNIDO
O Reino Unido oferece cobertura de saúde universal através do Serviço Nacional de Saúde (NHS, em inglês) e uma pequena parte dos cidadãos também possui seguro complementar para procedimentos opcionais. Embora o sistema tecnológico do NHS precise de uma atualização, o país está comprometido em melhorá-lo.

Ver cenário

ESTADOS UNIDOS
É pouco provável que os Estados Unidos ofereçam um sistema de saúde universal, e a maioria dos seus residentes possuem seguro-saúde. O país possui muitos registros de várias doenças, mas os dados sobre os resultados dos pacientes não são interligados e, embora o uso de registros eletrônicos de saúde esteja aumentando, o sistema ainda está fragmentado.

Ver cenário